Cães entendem injustiça e sentem inveja, diz estudo

Quem tem mais de um cachorro sabe o óbvio: que na hora de dar um biscoito ou um osso, todos têm que ter o seu próprio. Mas o "óbvio" do dono de um animal doméstico não é o mesmo da ciência. Foi preciso uma equipe de pesquisadores na Áustria testar se existe "inveja" entre cães para deixar claro que isso não só existe, como faz parte de um mecanismo biológico vinculado à evolução da cooperação em indivíduos de uma mesma espécie.

Testados, os cães deixaram claro que possuem uma natural "aversão à iniqüidade", e que fazem "greve" se não forem tratados do mesmo modo como seus semelhantes, algo já descoberto em macacos.

O estudo, liderado por Friederike Range, da Universidade de Viena (Áustria), está na edição de hoje da revista "PNAS".

Os experimentos parecem mais adestramento canino doméstico do que algo associado a um laboratório universitário. Foram testados 29 cães capazes de "dar a patinha". Os cachorros selecionados eram já adestrados nesse comando com seus donos, mas o teste envolvia "dar a patinha" para um experimentador desconhecido, acompanhados pelo dono e por um outro cachorro logo ao lado.

Leve-se em conta que são cachorros austríacos, acostumados à dieta local. Ao obedecer ao comando, o cachorro poderia receber uma recompensa boa --um pedaço de salsicha--, ou uma nem tanto --um pedaço de pão preto. Pior, poderiam não receber nada pelo "trabalho" de dar a pata.

Os testes foram planejados de modo a excluir interpretações alternativas. Os cães foram testados, por exemplo, sem receber recompensa; ou sem o cão parceiro; ou com ambos recebendo o prêmio.

"Cães têm uma forma de ciúme, e todo dono de mais de um cão sabe que se faz carinho em um, o outro vem pedir", diz Cesar Ades, especialista em comportamento animal do Instituto de Psicologia da USP, que elogia o experimento. "É um trabalho cuidadoso, eles mostram a recompensa ao cachorro, feita com vários controles. Se um recebe e o outro não, ele pára de dar a pata até antes daquele que não recebe recompensa sem contato social."

Ao contrário dos experimentos com chimpanzés, os cães não davam importância à qualidade da recompensa (salsicha ou pão preto). Já os macacos eram mais discriminantes quanto ao tipo de recompensas que ganhavam.

Os cães também sempre comiam o que recebiam; os macacos podiam rejeitar a comida se achavam que estavam sendo injustamente tratados. Só não há explicação clara no estudo para o fato de um cão não fazer distinção entre salsicha e pão, diz Ades.

Experimentos anteriores mostraram que os cães cansam da brincadeira e param de dar a pata depois de 15 a 20 vezes sem receber nenhuma recompensa.

O resultado do novo teste foi o que os donos de cães poderiam prever: animais sem prêmio pelo mesmo "trabalho" do colega ao lado logo pararam de "cumprimentar" o experimentador, e mostravam sinais de "indignação" --ficavam se coçando, bocejando, lambendo a boca ou desviando o olhar.

Fonte: RICARDO BONALUME NETO, da Folha de S.Paulo
09/12/2008 - 08h22