Criando qualidade e não lucro

Título original: Breeding for quality, not profit.

É possível criar cães de um modo ético? É o ético criador de cães algo contraditório?

Um sentimento anticriador é nutrido por organizações não governamentais de animais (refúgios principalmente) que tem convencido aos amantes das raças que todos os criadores de cães são pessoas sem escrúpulos. Alguns americanos agora acreditam que todos os demais criadores são diferentes de pessoas como eles, que compraram o cão por amor, e que estas pessoas deveriam perder o direito de possuir cães. Eu concordo que algumas pessoas absolutamente não deveriam criar ou vender animais. Mas há algumas pessoas maravilhosas envolvidas neste passatempo, e eles não precisam ser condenados juntos com os irresponsáveis. A situação é relativa a algumas outras convicções populares; que todos os políticos são os trapaceiros, exclua o que os representa. O público acredita que ao propor essas proibições imprensarão somente os criadores ruins, como esses canis horríveis que foram mostrados num programa de televisão. O fato é que os criadores conscienciosos é que sofrem o impacto dessas proibições... aqueles criadores mais atenciosos. Os comerciantes de cães são freqüentemente isentados de tal proibição por várias razões, e muitos denominados por criadores de quintal ignoram estas proibições da mesma maneira que eles ignoram a maioria das leis relacionadas aos cães.

Notícias que criam restrições e os ataques de mídia conduziram a uma diminuição da oferta de filhotes na fonte, contudo a demanda pública aumentou. Sem investigar as origens destes animais eles adquirem de fontes dúbias pensando que os estão salvando, contudo não estejam interessados se o comportamento ou saúde deste filhote futuramente desenvolverá alguns sérios problemas. Criadores conscienciosos também têm que questionar se eles devem continuar criando em face destes ataques por parte de extremistas da mídia e deixar de fazer algo eles amam, ou se devem reunir as suas forças para orientar ao público, como bons criadores, a continuar a buscar os potenciais animais puro sangue de fontes mais respeitáveis.

Assim os criadores respeitáveis têm estabelecido preocupações morais sobre os seus cães? Claro que sim, é isto que eles fazem. Mas, a maioria está vivendo tão ocupada por essas preocupações e trabalhando duro na criação, elevando, treinando e socializando os seus filhotes, trabalhando tanto que acabam ocultos dos compradores potenciais. Cuidadosamente os proprietários das Dog Farms estão de prontidão, e em estado de alerta se preparando com cuidado para o comércio, treinando as respostas para as perguntas dos compradores de modo que eles não levem tempo de dispersão, e para que não se possa expandir a configuração de uma das mentiras nas quais se tornaram mestres. Eles parecem acreditar que eles fazem um bem, um trabalho honesto e ético, e que eles não precisam ser tão bons criadores desde que sejam bons como peritos de relações públicas.

Enquanto isso, os mitos negativos crescem e prosperam. Explorarei as formas nas quais as pessoas podem ser ao mesmo tempo amorosos proprietários de cães e honestos, éticos criadores. Eu acredito que isto é completamente possível. Enquanto o que eu descreverei for um ideal, é ideal que seja diariamente absorvido por um grande número de criadores.

Administração de Matriz e Padreador

Comece com a pressupondo que nenhuma cadela deve ser direcionada para um programa de criação se não tiver muito para contribuir à raça dela. Ela deve obrigatoriamente que estar numa íntima aproximação ao padrão da raça. Ela deve estar com a saúde excelente, deve ser tranqüila e de boa índole. Ela deverá ser avaliada até onde for possível estender uma pesquisa de genealogia, que possa creditar que esteja potencialmente livre de transmitir qualquer falha genética séria.

Os novatos freqüentemente acreditam que eles podem colocar a raça para cima partindo de uma cadela inferior para atingir uma real qualidade. Não assim. O velho provérbio que: o inferior procria inferior e qualidade procria qualidade é tão verdadeiro no passado como hoje em dia. A cadela ideal para dar cria é a que possui todas as coisas acima descritas, tem como vantagem uma história familiar de qualidades como a desejada fertilidade, atestada pelo criador que conhece a genealogia, pois cuidou dos seus antepassados cuidadosamente por muitos anos.

As cadelas não deveriam dar cria antes de alcançar maturidade, pelo menos até atingir ao segundo cio e a acima de 1 ½ ano de idade para as raças que amadurecem lentamente (raças de talhe grande). Depois da primeira prole, com que freqüência deveria uma cadela dar crias? Isto adquire respostas diferentes, baseadas de como o dono planeja o programa de criação, se for uma matriz o par deve ser muito bem avaliado antes de disponibilizar a cobertura. Minha resposta é que nenhuma cadela precisa dar crias mais que duas vezes, para o caso de seus filhotes não apresentarem a qualidade desejada, a menos que ela produza os melhores filhotes, e que estes estejam bem acima da média. Nesta situação e no caso da condição de saúde dela permanecer excelente, não haverá nenhum problema de gerar uma terceira cria, sendo que após esta terceira vez seus ovários deverão ser removidos. Todas as cadelas aposentadas deveriam ter os seus ovários removidos para prevenir sérios riscos médicos, como tumores mamários e piometra.

Só os melhores machos deveriam ser usados como padreador. Shows de cães e competições de desempenho provêem um excelente modo para testar se qualquer cão que se pretenda considerar acima da média. Mas, entenda que isto não representa qualidade para reproduzir, significa que sequer o mais famoso cão vencedor pode não ser o melhor produtor. O cão que deve receber a consideração para procriar a sua maravilhosa cadela é o que já produziu muitas ninhadas de boa e excelente qualidade, idealmente que tenha sido comum a variedade de cadelas. O criador atento e preocupado investirá tempo para pesquisar um cão completamente reprodutor, e tentará ver o número máximo possível de filhotes da sua descendência antes de escolher o reprodutor definitivo.

Deveriam ser testados cães reprodutores prevenido-se contra condições de enfermidades hereditárias como a displasia coxo-femural, a atrofia de retina progressiva, ou qualquer outra condição de doença que possa acontecer na raça, da mesma maneira que cadelas consideradas sãs. Deveriam ser repetidos testes de olho e outros exames anualmente. Todos os exames possíveis para investigar a presença de brucelose, uma não-fatal infecção bacteriana, antes de qualquer procriação. Comportamento agressivo não deveria ser desculpado como típico de reprodutores. Um temperamento estável é geneticamente crucial, como também durante a procriação atual.

O dono de um Reprodutor (semental) tem grande responsabilidade. Ele ou ela é responsável pela segurança e bem-estar do cão e da cadela. Esta pessoa deve ser chamada para prover informações detalhadas sobre genealogias, ao cuidado de cadela e filhotes cães, auxiliando para classificar os filhotes para venda. Nenhum dono deveria oferecer um cão como reprodutor até que ele fosse comprovado como competente, ajudado pelos donos de quaisquer filhotes que sejam crias dele. Donos de reprodutores são freqüentemente chamados para classificar cadelas e aconselhar aproximadamente se elas deveriam ter crias. O produtor de filhote de cães (vendedor) verá isto como uma oportunidade para ganhar outra taxa de cobertura. O dono ético resistirá a esta tentação e oferecerá uma avaliação honesta.

Há dois testes básicos para determinar os entre os criadores cães níveis éticos. Primeiro, pergunta-se por que eles estão criando cachorros? Se eles fizerem filhotes de cães somente para ganhar dinheiro, eles fracassam no teste. Outras pessoas optam por criar, porque eles querem que as crianças deles aprendam de uma forma aproximada sobre o milagre da vida.Eu desejaria saber como é que as crianças que assistem estes milagres pensam sobre o que seja assistir a mascote amada delas sofrendo a grande dor do parto, vão desejar assistir filhotes nascidos mortos, ou ainda presenciar quando a cadela recusa querer os bebês dela devido a inexperiência ou falta de conhecimento dos donos.

Muitos desses acabam em sua maioria causando danos às crianças são os donos que criam uma cadela porque precisam ganhar o preço pago pela compra dela anteriormente. Invariavelmente estas cadelas foram compradas como mascote, freqüentemente de criadores casuais ou de saídas comerciais e não como matrizes para gerar qualidade. O dono é, obviamente, um desinformado sobre os riscos e os custos de criar; caso contrário ele saberia que esses custos e riscos normalmente obviam qualquer lucro. Comercialmente ou criando casualmente cadelas são levadas a produzir filhotes de baixa qualidade tão prematuramente lhes é impedidos de aprender as habilidades da maternidade, então elas raramente entendem que são mães e que elas possuem filhotes. Eu também questionaria as éticas de criadores cujo objetivo primário é a produção de cães que armazenarão mais títulos para aumentar a reputação de criadores.

Meus favoritismo pessoal na ética da criação de raças, são os criadores que criam para produzir filhotes sãos, inteligentes, saudáveis, a quem dedica um tempo para fazê-lo um ser bem socializado e receptivo, o qual se possa facilmente treinar, pois assim eles se superarão nas competições ou como cães de companhia. Um criador ético nunca irá investir tempo para criar um cão inferior só para fazer filhotes, seja com o canil contendo 20 cadelas ou apenas uma.

Janice Merrifield Gardner
Fonte: Dog World 6/12/2000

Extraído do site www.blacklab.com.br