Escolhendo o Criador
Por Mrs. Bev Molloy

Este artigo contém, em termos gerais, sinais que poderão advertir quem deseja adquirir um filhote a ser cauteloso, procurar com cuidado, aprofundando-se na pesquisa. Observe que porque um criador fez ou tem feito algumas coisas citadas neste artigo, não significa, necessariamente, que ele seja um criador desonesto. Muito do que segue abaixo poderá ser aplicado na compra de um filhote ou na escolha de um reprodutor.

O primeiro erro mais comum é fazer negócio com o primeiro criador que se encontra e que pode fornecer aquilo que se está procurando, um filhote ou reprodutor. Tenha em mente que possuir/criar é um grande compromisso que envolve dinheiro, tempo, esforço e sentimento. Não tenha pressa! Comprar/criar por impulso pode acabar em desastre. Muitos criadores ruins sabem que ter filhotes prontamente à venda é sua maior vantagem.

Seu primeiro passo é contatar vários criadores e ver tantos cães quanto for possível. Como tudo na vida, aquelas pessoas honestas e íntegras em seus negócios e que produzem qualidade, serão muito respeitadas por seus pares. E, claro, o oposto é verdadeiro para aquelas pessoas que produzem com má qualidade. Preste atenção nas boas referências de criadores; também questione quais clubes a que pertence. Pesquise nos clubes nacionais e regionais da raça e pergunte se tiveram alguma suspensão ou alguma queixa. Familiarize-se sobre problemas da raça e discuta sobre os mesmos com seu veterinário.(Os problemas mais comuns do Labrador Retriever são a displasia coxo-femural e do cotovelo, além de problemas oculares como ectrópio, entrópio, atrofia progressiva da retina, citando alguns dos mais prevalentes. )*

Lembre-se que não existe o cão perfeito, e ninguém tem linhagens perfeitas. O criador deve estar disposto a discutir os problemas de seus cães e o que está fazendo para elimina-los. Se um criador disser que não tem problemas, e que seus cães são os melhores, tenha cuidado!

Não se ofenda se o criador lhe solicitar referências, ou fazer diversas perguntas, assim como você a ele. Se ele não se preocupa a respeito do tipo de lar para onde irão seus filhotes; ou o tipo de fêmea que irá acasalar com seu padreador, ele provavelmente não está preocupado com qualidade, e sim quantidade. Suspeite se não tiver interesse em relação a procriação de seus cães – por que?

Você deve ter um contrato escrito com garantias e o poder de desistir antes de firmar um compromisso. Muitas palavras podem não estar bem claras. Algumas cláusulas comuns de se ver neste tipo de contrato são:

“Se o filhote apresentar problemas hereditários ou incapacitantes, devolva o cão que devolveremos o dinheiro ou reporemos outro filhote.” Muitas doenças hereditárias não se manifestam até que o cão tenha um ano de idade ou mais. Você devolverá o cão, em troca do pagamento feito por ele? Se você não devolver o cão, não receberá seu dinheiro de volta. Por outro lado, e se o cão dado no lugar do outro for proveniente do mesmo acasalamento? Se a possibilidade de participar de exposições/criar está nos seus planos, cuidado com os contratos “limited”. Enquanto esta preocupação reflete um criador consciente, tenha certeza de que seu contrato está bem claro.

Veja os cães que o criador tem. Há cães mais velhos? Se a prioridade é fazer dinheiro, ele tende a desfazer-se dos cães mais velhos, quando estes saem da reprodução.

Há discrepâncias na maneira como trata os cães e como acha que você deverá trata-los – se insistem que você faça do cão um membro da família e deixa seus cães em canis?

Tente conhecer o pai e a mãe . Caso contrário, suspeite! Se você tem alguma preocupação quanto ao temperamento do pai, mãe ou filhote, não compre!

E, se particularmente você não gostar do criador, não faça negócio com ele!

Extraído do site www.blacklab.com.br